Doenças da tireoide exigem cuidados especiais

Essa glândula regula praticamente todas as funções orgânicas do nosso metabolismo e por isso um diagnóstico precoce é extremamente importante

Página 14 - 1

A tireoide atua no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes, no peso, na memória, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, na concentração, no humor e no controle emocional

 

Camila Baggio

Muito se ouve falar em hipotireoidismo e hipertireoidismo. Mas, afinal, o que são esses problemas e por que eles acometem algumas pessoas? O endocrinologista Clayton Luiz Dornelles Macedo, que atende em Caxias do Sul, explica que ambas as doenças são alterações da função da tireoide. “A tireoide é uma glândula extremamente importante para o nosso organismo. Ela regula praticamente todas as funções orgânicas, deixando nosso metabolismo, como um todo, funcionando normalmente. Se a tireoide funciona demais o metabolismo fica acelerado e se funciona a menos, o metabolismo fica lento”, explica o médico.
A glândula tireoide é localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo do Pomo de Adão. Reguladora da função de importantes órgãos como o coração, o cérebro, o fígado e os rins, ela produz hormônios e toxinas. Atua, ainda, no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes, no peso, na memória, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, na concentração, no humor e no controle emocional. “As alterações da função da tireoide são chamadas de hipotireoidismo – quando a tireoide funciona a menos, tudo fica mais ‘lento’ no organismo; e hipertireoidismo – quando a tireoide funciona a mais, tudo fica ‘acelerado’. Existem ainda alterações da forma e do tamanho da tireoide: bócio benigno – pode ser um crescimento difuso ou nodular da glândula, bastante comum no nosso meio; e o câncer, que felizmente é pouco comum, quando as células malignas se desenvolvem”, lista o endocrinologista.

Como prevenir

Disfunções na tireoide podem acontecer em qualquer etapa da vida e são de simples diagnóstico. Contudo essa investigação precoce é extremamente importante, principalmente nos pacientes com histórico familiar positivo de doença da tireoide ou com nódulos no pescoço. “Precisamos ter uma quantidade adequada de iodo na nossa alimentação mas, é muito importante salientar, no nosso meio isso atualmente não é mais problema, já existe na água e no sal iodado o que precisamos”, recomenda endocrinologista Clayton Luiz Dornelles Macedo.
Na região da Serra Gaúcha esses distúrbios da tireoide são mais frequentes em função principalmente da altitude e da genética. É importante ficar de olho em qualquer alteração, uma avaliação com um clínico geral ou, no caso da mulher, com o ginecologista, pode detectar esses problemas. Se houver alteração, o endocrinologista é o profissional indicado para o atendimento especializado”, complementa o médico. A visita ao endocrinologista é importante uma vez que, como a tireoide regula as funções do organismo, os sintomas são inespecíficos e somente casos extremos é que dão sintomatologia intensa. “São alguns sinais de alerta a variação de peso, o crescimento da região anterior do pescoço, edema (inchaço), tremores e palpitações e, em crianças, alteração na velocidade de crescimento. Principalmente quem tem história familiar de doença da tireoide deve ficar mais alerta”, recomenda Macedo.
De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, estima-se que 60% da população brasileira tenha nódulos na tireoide em algum momento da vida. Mas isso não significa que sejam malignos. Apenas 5% são cancerosos. O diagnóstico dessas alterações é feito por exames de sangue para dosar os hormônios da tireoide e por exames de imagem (ecografia) para avaliar a presença de nódulos em casos suspeitos.

 

Página 14 - 2

Clayton Luiz Dornelles Macedo atende no Centro Médico Medianeira (em frente ao Hospital do Círculo), em Caxias do Sul. Contatos pelo telefone (54) 3222.0847