Multinacional espanhola traz ao Brasil programa de nutrição foliar para oliveiras

INFORME COMERCIAL

Fazenda Lanceiros Negros

Fazenda Lanceiros Negros

 

O técnico agrícola do Olival Lanceiros Negros, de Pinheiro Machado (RS), Eberson Medeiros de Farias, atesta a qualidade dos produtos da marca Coda 

 

Uma atividade rentável e promissora tem crescido no Brasil, especialmente no Rio Grande do Sul: o cultivo de oliveiras. A área plantada já cresceu 2000% na última década. E quem investe diz que o retorno é garantido. Porém, para apostar na olivicultura é preciso ter muito conhecimento técnico, e, principalmente, fazer uso de um bom programa nutricional e bioestimulante específico para a cultura.
E quando se fala em programa nutricional para a olivicultura, a CODA é uma referência, pois atualmente é umas das únicas multinacionais do setor, em atuação no Brasil, a possuir portfólio específico para cultura da oliveira, imprimindo a experiência e a tradição espanhola neste cultivo, sempre respeitando o meio ambiente e a saúde do aplicador.
O Olival Lanceiros Negros, de Pinheiro Machado, iniciou a plantação de 70 hectares de oliveiras há pouco mais de um ano, em abril 2017, e para potencializar a pega das mudas, por meio de um melhor enraizamento e equilíbrio nutricional das oliveiras, o técnico agrícola e administrador da propriedade, Eberson Medeiros de Farias, apostou na utilização dos produtos da Coda específicos para a cultura olivícola.
Para ele, os resultados têm sido muito satisfatórios. “Em nosso olival estamos muito satisfeitos com o resultado dos produtos Coda, aliados à assistência técnica, escolha de variedades, viveirista, preparo de solo, plantio e adubações. São vários fatores que influenciam no sucesso de uma cultura nova, como a da oliveira no Brasil. E a adubação, além de outros produtos aplicados via solo, aliada à aplicação via foliar, exclusiva com produtos Coda, está nos proporcionando um olival muito bem desenvolvido, equilibrado e saudável, o que nos dá a certeza de que chegaremos ao êxito com excelentes produções, qualitativamente e quantitativamente, e com produtos finais de alta qualidade, como já vimos em olivais próximos e já produzindo”, aponta o profissional. O projeto da Fazenda Lanceiros Negros é chegar até o final de 2018 a cerca de 100 hectares plantados.

A importância da nutrição foliar da oliveira

Facundo e Eberson

O engenheiro agrônomo e consultor argentino, Facundo Miguel Herrera (segundo da direita para a esquerda), em consultoria ao técnico agrícola Eberson Medeiros de Farias (D), da Fazenda Lanceiros Negros

Embora seja uma planta rústica, a oliveira necessita de um programa de nutrição foliar para o seu pleno desenvolvimento, conforme explica o técnico agrícola e administrador do Olival Lanceiros Negros, Eberson Medeiros de Farias. “O equilíbrio nutricional, a disponibilização de macro e micronutrientes de boa qualidade via foliar para as plantas é muito importante. É o que chamo de ‘injeção na veia’, pois após as correções do solo, conseguimos otimizar a nutrição nas olivas com os nutrientes dos produtos Coda, que são reconhecidamente aprovados para a olivicultura”, atesta.
O engenheiro agrônomo e consultor de olivicultura argentino, Facundo Miguel Herrera, que atua desde 2009 na Agroland SA, detentora da marca Colinas de Garzón Azeites de Oliva Extravirgens, do Uruguai, e também presta consultoria em outros projetos olivícolas no Brasil, como para a Azeites Batalha, do município de Pinheiro Machado (RS), Olivais Lanceiros Negros, entre outros novos projetos em andamento, reforça a importância de trabalhar com um programa abrangente de nutrição que inclua fertilizantes básicos e foliares. “Os consumos de uma oliveira em produção são variáveis ao longo do período vegetativo.

Portanto, uma vez conhecidas as necessidades totais de nutrientes da plantação, as contribuições são aplicadas e ajustadas às necessidades temporárias (mensais) de cada nutriente. Esta contribuição mensal variável requer fertilizantes foliares, que são ajustados de acordo com o estado fenológico do olival”, explica um dos maiores especialista em olivicultura da América do Sul.
Segundo ele, é necessário estimar as necessidades da plantação ao longo do tempo. Para isso, a dica do profissional é que o produtor/técnico faça um calendário de fertilização específico para as contribuições de cada elemento, de forma a poder cobrir da melhor forma possível todas as necessidades da cultura. “Isso quer dizer que incluir as contribuições dos fertilizadores foliares complementam e reforçam o plano integral de fertilização, também é necessário enfatizar que existem situações de estresse que, geralmente, são combatidas com diferentes produtos foliares recomendados”, afirma.

Linha coda